Generalizar nem sempre é o caminho

by - terça-feira, agosto 07, 2012



Tenho que confidenciar, antes de qualquer coisa, que escrever para vocês não é um prazer. É uma honra! Sinto como se me entregassem a partícula de Deus para guardar eternamente! O mais legal é que encontro minha turma. Sim, pois quando leio os comentários, espontâneos, me sinto num bate-papo. Uma interação rica e gostosa!
Vamos bater um papo sobre gênero. Às vezes é comum, mundo afora, encontrar pessoas com um hábito, bizarro, de na hora da leitura não conferi o gênero que debruça sob os olhos. Cada gênero textual tem uma finalidade discursiva. Uma intenção ao ser proferido! Caso o leitor não respeite tempo, espaço e corpo físico do texto a leitura poderá ser comprometida.

Vamos para um exemplo clássico: a leitura que você faz de sua mãe (para quem tem mãe) possivelmente não será a mesma leitura que você fará de seu vizinho. Como assim? Ora, pressupõe-se que você ama a sua mãe e que o sentimento que você nutre pelo vizinho não é o mesmo amor. Até pode amá-lo, mas será que é como ama sua mãe? Você mora e/ou morou com a sua mãe, mas não com o vizinho... Se você brigar com a sua mãe, existe uma possibilidade muito grande de vocês voltarem a trocar amores, mas se brigar com o vizinho as possibilidades são bem menores. Viu que não é a mesma coisa?
E não é diferente com os gêneros textuais. Não dá pra ler uma crônica como se estivesse lendo um romance. Ou uma poesia como se estivesse lendo uma novela. Como assim? 

‘Uma rosa é uma rosa é uma rosa.’

Quando alguém escreve uma carta, por mais que não tenha data ou assinatura, ela não deixa de ser uma carta. E você não vai ler essa carta como quem ler uma poesia ou uma bula de remédio. Um texto publicitário não é lido como um bilhete para o namorado. Ou você vai dar um beijo apaixonado no dono das Casas Bahia? Por que se dessa forma for feito podemos generalizar erroneamente. E jamais chegar ao ápice discursivo daquele texto.
Quer ver outro exemplo patético: é quando o leitor acredita que o filme deve ser fidedigno ao livro. Ele não se sensibiliza com o fato de serem artes diferentes! Oh, My God! E se usarem uma música para uma publicidade, esse gênero não vai deixar de ser um gênero publicitário. Uma propaganda me vê como produto do capitalismo. Já a poesia ou o romance, não. O livro cientifico não tem a menor intenção de informar como um cordel, portanto as normas da ABNT devem ser respeitadas e compreendidas.
Alguns blogs literários têm cometido alguns pecados ao acreditar que possuem o ‘Dom extremo’ ao direito de generalizar a arte. São tão cruéis e insensíveis nas resenhas ou artigos literários que, decididamente, quase vomito!
Li uns textos de ‘X’ blogueiro que arrasava o cantor e compositor Oswaldo Montenegro. Ele não é forçado a gostar de Oswaldo, mas se for pra fazer análise que seja com o mínimo de bom senso. Veja o contexto histórico, a ideologia do autor, as palavras empregadas e a razão.  Ou então, se retenha a total escuridão e diga apenas: Eu não gosto! Outra dica é pesquisar sobre o que se está lendo, já que deseja dizer coisas negativas.
Na moral, alguns blogueiros e/ou fazem um papel tão ridículo que dá pano pra manga! É motivo pra piadas. Certa vez um camarada analisou uma poesia como se estivesse lendo um livro universitário. Decididamente, não dá pra generalizar os gêneros. 

Eis que esta é a
Lilian Farias
@liligarota

Leia também

36 comentários

  1. Realmente algo para se pensar...
    Generalizar gêneros literários é algo que é feito de forma quase automática; sua citação sobre "filme fidedigno ao livro" eu mesma já fiz várias comparações de mesmo teor. Nada drástico, pois entendo que a visualização do filme deve ser mais dinâmica que as dos livros.
    E quanto aos gêneros literários, a maneira como cada um lida com um específico realmente deve ser diferente, suas colocações foram muito bem feitas, e explícitas, afinal ler um texto científico é bem diferente de ler uma literatura de cordel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Fran
      Gostei muito de sua participação. obrigada por deixar suas palavras por aqui ^^

      Excluir
  2. Eu também acho que as pessoas devem ter um pouco mais de senso crítico quando analisam um filme baseado em um livro, nem tudo que funciona no livro funciona em um filme, no início eu também era assim, mas mudei porque logo vi que não dá pra pensar no cinema como uma extensão da literatura, em uma adaptação algumas mudanças devem ser feitas, o que o leitor tem que ficar atento é nas mensagens e nas emoções que o filme transmite. Mas vamos concordar que alterar personagens e situações de forma drástica também já são um exagero.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Rodrigo
      Concordo contigo. Tem gente que exagera na hora de passar o livro pro cinema!

      Excluir
  3. Oi Lilian!
    Que honra e orgulho ter você como colunista nesse meu humilde blog, será promovida! hahahaa
    Onde eu assino para deixar registrado que concordo totalmente com o que você escreveu?
    Essa é uma das questões que mais me deixam de cabelos em pé na blogosfera, analisar um livro de crônicas como se este fosse um romance, ler um livro hot e quase jogá-lo na fogueira por conter cenas de sexo. Oh my God! Save us!
    Nós como letristas, eu ainda como universitária de Letras, temos o dever de saber diferenciar os gêneros literários, como bem aprendemos na parte teórica de narrativa e literatura, cada gênero tem possui suas próprias características, como tempo, espaço e personagens. Estes são moldados de acordo com o gênero literário.
    Não custa nada antes de lermos olharmos lá na primeira página do livro e vermos o seu gênero, pesquisar sobre o tema que o livro aborda, um pouco da biografia do autor, não vai nos custar nem 5 minutos no google...
    Parabéns Lilian!!!
    ótimo texto, ri em alguns trechos, sinto-me como se estivessemos em uma roda literária, fazendo algumas divagações...
    Beijos
    Daiane

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      aumento salarial? adoreiiiiiiiiiii
      vc sabe que concordamos, né? apesar de o texto não ter uma característica de academia, fica a dica! ^^
      É uma alegria estar aqui com vcs!

      Excluir
  4. Tudo que você falou é realmente verdade.
    Muitas pessoas cometem o erro de generalisar tudo, livros, filmes e até as próprias pessoas à sua volta (tenho que dizer que já generalisei as pessoas *vergonha*). Muita gente também não se satisfaz com o livro que lê justamente porque não sabe como lêr tal gênero, as vezes nem ao menos sabe qual é.
    Adorei o texto!!!
    beijoss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb já fiz isso, mas o tempo e a necessidade de convivência me ensinaram que era errado! ^^

      Excluir
  5. Concordo com tudo, os gêneros não existem à toa. Sempre tento ter isso em mente. Acho que por isso leio de tudo,sem o menor preconceito.Alguns autores não me agradam,mas não ousaria a dizer que não é literatura ou qualquer coisa do tipo..apenas não leio mais porque sei que aquele tipo de texto não me apetece.Agora, quando se trata de adaptações cinematográficas costumo reclamar,confesso. Sei que a linguagem é diferente e que o cinema tem condesar a história e lançar mão de clichês para atingir um público maior.Contudo, sempre irei achar que as obras cinematográficas ficam aquém das literárias. Kkkk Olha, o próprio J. D Sallinger deixou por escrito que não autorizaria uma adaptação de O apanhador no campo de centeio ( meu livro favorito), pois ele não era um entusiasta do cinema... Agora, quando seu livro cair em domínio público, com certeza farão uma adaptação. E eu amaria assistir. Vai entender... Kkk
    Ótima reflexão.
    Abraços,
    Islayne

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahahahah
      Vc é uma figura. eu tb reclamo quando não conseguem capitar a essência da obra... acabo nem assistindo ^^
      O apanhador no campo de centeio? uau
      vamos esperar para ir ao cinema, tomara que não sejamos frustradas!

      Excluir
    2. Olá dai e Lilian, gostei do texto de vcs e me fez pensar na parceria com autores nacionais; tive apenas duas experiências com elese pensei em não mais firmar parceria assim, não necessariamente pela qualidade dos livros ou reação deles à resenha, mas pelo fato de achar que eu não estava sendo sicera/crítica o suficiente. Eu achava que estava me segurando demais e poderia ter dito as coisas de modo mais direto e incisivo, mas, sabe de uma coisa? Este texto de vcs veio reforçar a opinião de uma amiga, após ler minhas resenhas. Eu posso pontuar o que não gostei ou os elementos que considerei dispensáveis, fracos, etc, mas não preciso ser cruel ao fazê-lo! Afinal, não sou a dona da verdade e a compreensão/impressão de uma obra, seja livro, filme ou qq outra, depende do encontro entre a mesma e o espectador. O que é muito ruim pra mim, pode ser excelente para outro; pode até mesmo se tornar excelente para mim a depender do momento do encontro. Desse modo, acho que é mais educado, elegante e, principalmente, respeitoso, vc apresentar suas críticas com cuidado, parcimônia e lembrando que é apenas sua impressão no momento, não um dogma.

      Um beijo e ótima semana!

      Nay.
      www.dignidadenaocabeaqui.blogspot.com.br

      Excluir
    3. Que reflexão inteligente. por mais difícil que pareça esse é o caminho. Tive essa experiência com Os Guias politicamente incorretos. Achei uma merda. Mas fazer né? não dá pra ser radical! ^^

      Excluir
  6. Nossa adorei o assunto. Concordo totalmente com o que você disse, e devo assumir que nem sempre li os livros da forma adequada, acredito estar melhorando nisso. Hoje mesmo escrevi uma resenha de um livro que, há poucos anos atras eu nem teria lido, e claro, se tivesse lido teria somente criticado "meloso de mais, muito parado e chato", é um livro de época (Jane Austen) e por isso li de forma diferente, não amei o livro, e sim demorei muito para lê-lo, mas achei super interessante e até fascinante, já comprei outros dela por causa disso.
    Quanto aos filmes, perdi as contas de quantas vezes disse "no livro não é assim!!" totalmente indignada, até já chorei de frustração por causa disso, mas não é que eu não entenda que é outra forma de arte, é só que mudar totalmente um personagem, ou coloca-lo em uma situação que ele nunca entraria, ou deixar de explicar N coisas que fazem falta na história, é um absurdo. Pode mudar, deixar mais "visual", mais agradável ao publico de cinema, mas mudar totalmente algo eu não concordo, pode ser só baseado no livro, mas quem leu o livro espera que seja a mesma história, mesmo que seja contada de forma diferente.

    Cada vez amando mais ainda esse blog ;)
    Meus parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Super importante a questão que você tocou, as pessoas muitas vezes pegam pra ler, sem nem saber do que se trata, esses dias mesmo, me deparei com uma cena dessas no facebook, em uma pagina de um livro, acho que nínguem é obrigado ler o que não gosta, agora que pelo menos conheça do que se trata antes de "falar mal", cada livro tem uma leitura própria pra tocar seu publico alvo.

    ótimo post.

    ResponderExcluir
  8. Realmente generalizar não é a melhor opção.
    Mas confesso que na hora de ver um filme de livro esqueço que ele é "baseado" e não fiel ao livro e fico irada com as alterações, algumas até desnecessárias.
    Isso é um assunto polêmico e não fácil de resolver... acho que só na terapia..kkkk
    Beijos
    Chrys
    Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
  9. Olá Lilian, concordo com seu texto realmente não devemos generalizar os gêneros, para isso eles já foram criados néh, para ser ter essa diversidade, então pra que misturar td, cada pessoa aprecia um gênero ou mtos gêneros...eu gosto de ler de td um pouco, e tento diferenciar uma escrita da outra...é isso que torna o mundo literário tão fantástico, vc pode conhecer diversos temas e explorar diversos tipos de escritas de gêneros...

    Parabéns pelo texto...

    BjOs!!!

    ResponderExcluir
  10. Eu mesma já tive "preconceito" com alguns gêneros de livros, mas com o tempo fui deixando isso pra lá.
    Já com os filmes baseados nos livros, as vezes eu fico com muita raiva como no caso de Percy Jackson, mas alguns até são leais ao livros, como Jogos Vorazes e HP.
    Adorei o post
    :D

    ResponderExcluir
  11. Ótimo texto,temos que saber para criticar,não é só ir detonando,principalmente ter em mente que muita coisa que fica ótimo no livro,talvez na tela não fica tão bem.E se não gosta de determinado gênero literário,não pricisa falar mal.Tem que respeitar.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Concordo, para analisarmos temos que o fazer por gêneros e não num todo, igual você mesma disse, não se pode generalizar os gêneros.

    ResponderExcluir
  13. Ótimo texto sobre algo que está cada vez mais frequente. As pessoas generalizam tudo e todos, e isso não é bom ou aceitável. Sempre tomo cuidado ao ler algo diferente do que estou acostumada. Penso no que o autor estava querendo propor e se ele alcançou esse objetivo comigo. Pena que algumas pessoas sentem necessidade de ofender quando o objetivo não fica claro para elas...

    ResponderExcluir
  14. Concordo contigo Lilian. Tem blogueiro que se acha no direito de criticar ótimos cantores, filmes e livros, mas não tem consciência em que época foi criado. Nunca devemos generalizar.

    ResponderExcluir
  15. Bem não da pra negar o fato ! E concordo com tudo o que você falou é um assunto pouco debatido hoje em dia e tenho que dizer que você me surpreendeu quando tocou no assunto ! Nunca gostei desse negocio de generalizar porque de vez em quando essas pequenas mudanças me deixam com uma raiva orrenda ! Bem... parabens pelo texto ! ^^

    ResponderExcluir
  16. Sinceramente, adoro os textos que a Lilian escreve. Ela consegue colocar nas letrinhas tudo que a gente pensa ou que tem vontade de pensar e escrever.
    Também faço parte do time que não gosta de generalizar nada, ainda mais quando isso é em relação a arte ou cultura.
    Acredito demais nos gostos pessoais e respeitar isso, é o primeiro passo para se viver em harmonia.
    E gostei do exemplo entre filme e livros..rs Adaptações, é preciso lembrar que é assim.
    Parabens pelo texto, assino embaixo :)

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. "Não dá pra ler uma crônica como se estivesse lendo um romance. Ou uma poesia como se estivesse lendo uma novela." Haha, isso não seria bom! :P
    "Um texto publicitário não é lido como um bilhete para o namorado. Ou você vai dar um beijo apaixonado no dono das Casas Bahia?" Eu ri!
    Gostei muuuito do texto! Acho que quando é pra fazer uma análise temos que usar argumentos coerentes para a nossa opinião, sabendo respeitar. Críticas são boas ( até mesmo as negativas) desde que a pessoa que criticou saiba fazer isso. ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. concordo com vc. se for pra dizer que seja pautado em argumentos plausíveis!

      Excluir
  18. Nossa , apesar de vc estar totalmente certa , eu nao me importo com isso , pois nunca gostei de gramatica , nem sei o q é uma cronica direito kkkk

    ResponderExcluir
  19. Nossa, adorei o post!! E concordo muito contigo, generalizar nem sempre é o melhor caminho, eu mesmo já fiz isso mas depois fui deixando pra lá, eu me decepciono com alguns filmes baseados nos livros, mas ai eu tenho que lembrar que o filme sempre vai ser inferior ao livro ;(

    ResponderExcluir
  20. Concordo Lilian. O que mais vemos hoje em dia é essa generalização aí, como se tudo devesse ser parecido. Eu gosto de vários gêneros de leitura. A única que não gosto tanto são crônicas.
    Acredito que gostos são à parte, e que não é porque o "X" blogueiro não agradou de certa leitura ou de certo autor, que devesse dizer à todos para que não lessem.
    Outra coisa seria as adaptações. Nunca estão iguais aos livros. Sempre diferentes! Para ser franca, não curto muito ver filmes, assim sendo vejo raramente. Mas há muita comparação entre as adaptações e os livros. Cada arte é uma arte! :)

    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Verdade, concordo com você. Cada um tem seu gosto, não da pra generalizar tudo... Tem livros que eu gosto, mas leio resenhas e a pessoa diz que não gostou, ou não indica... Outros adoram e eu não gosto. Eu gosto de assistir os filmes e ler os livros. Assistir os filmes antes de ler o livro, as vezes até nos ajuda a imaginar aquele cenário descrito no livro, tudo bem que as vezes tem uma grande mudança. Por exemplo já li As crônicas de Nárnia todo. Tem uns livros da série que não se tornaram filme, como o primeiro, que acho importante pois conta parte muito importantes da história, mas nem por isso acho o filme ruim, e estou ansiosa para ver todos até o último ^^
    Gostei do seu texto ^^

    ResponderExcluir
  22. Acho que temos que apreciar cada coisa por si só, são como as pessoas, cada um tem uma personalidade diferentes, mas nem por isso são piores ou melhores que as outras.
    Bjos!
    Cida

    ResponderExcluir
  23. Falou tudo, Lilian!
    Na minha humilde opinião, Blog Literário não deve ser usado pra inventar problemas e/ou defeitos de artistas que o dono não goste. Critique, mas critique minimamente baseado, e tenha educação com as escolha dos termos usados.
    Parabéns pelo post.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  24. Adorei o post !!
    E concordo com o que você disse, cada pessoa tem seu gosto e preferência seja ela literária ou outras, e cabe a cada um de nós respeitar o gosto do outro....

    ResponderExcluir
  25. Lilian gostei muito do seu texto.
    Infelizmente é verdade que tem muita gente que analisa textos sem atentar para o gênero deles.
    Temos que saber argumentar para falar de algo seja positivamente ou negativamente, infelizmente tem gente que se acha o dono da verdade e escreve sem bom senso.

    ResponderExcluir

Blog no ar desde 08/11/2011

Blog no ar desde 08/11/2011