Meu livro de autoajuda

by - domingo, janeiro 06, 2013



Texto por: Lilian Farias
by Koukei
Eu confesso que tenho preguiça de abrir um livro, mas depois que meus olhos pousam a vista nele, não o largo mais. Independente de o livro ser bom ou assustadoramente ruim, visto que é incompatível à minha ideologia, sempre dá para colher algo de bom.
Lembro-me a primeira vez que li Jorge Amado, foi uma explosão de sentimentos, passei a olhar o mundo de outra forma. Pessoas, que antes eram sujeitos inexistentes, passaram a serem agentes ativos da minha história. Também recolhi alguns livros, a minha jornada, que me ensinaram a nunca escrever tanta merda num só lugar... ou tentar ser menos cartesiana.
Enfim, são várias histórias com diversos livros que você, leitor, e eu temos para contar. Poderíamos passar horas tricotando ou tentando convencer o outro de que tal livro é o melhor por X motivo. Visto que tudo isso é positivamente gostoso, me pergunto: existe algum livro que não seja autoajuda?

Um dia, postei, no meu blog, sobre um livro, muito bom, que fala muito da cultura oriental, nos ensinando alguns pontos de massagens, pensamentos reflexivos, áurea etc. e uma leitora disse que não gostava de autoajuda. Compreendi o discurso dela, mas não pude deixar de postar frente à questão.
Admito que não gosto desses charlatões que existem na literatura dando dicas de ficar rico, ser vitorioso, ser bem sucedido, perder peso, nunca chorar, ficar sempre jovem etc. para mim, são ações positivamente sebosas. Esses são os famosos livros de autoajuda, que abarrotam de dinheiro o bolso de muitas editoras e autores. E, que por sua vez, deixam o leitor viciado e dependente daquelas palavras viciantes. Este tipo de literatura, não a identifico como autoajuda, mas como droga literária licita.
Autoajuda, para mim, é aquele livro que me deixa com sede de liberdade; que mostra outras possibilidades, além daquela que a vida cartesiana e ocidental nos desvela; que me instiga a ser uma pesquisadora; a ser uma pessoa melhor; a olhar o mundo com humanismo; que faz uma revolução interna para que o externo reflita minha alma.
Deixe aqui o seu conceito de autoajuda ou sua indicação de uma boa autoajuda. Esse texto só foi possível por causa da dedicação de uma leitora que se propôs a ler e dizer o que sente. É por conta dessas ações que o escritor existe e se sente realizado.
Eis que desejo um ótimo 2013 para todos,

Lilian Farias
@LiliansFarias


Leia também

36 comentários

  1. Já andava com saudades dos posts da Lilin aqui no blog. Vai ter talento pra escrever assim né?
    Como já postei em outro blog, sou fã dos livros de auto-ajuda, mesmo sabendo de cor e salteado o que preciso neles e o que eles vem trazer.
    Sou fã de Paulo Coelho(podem apedrejar) e se tem outro cara q curto muito o trabalho, apesar de achar todos os livros super parecidos é o Augusto Cury.

    Mais uma vez, parabens Lilian, por conseguir colocar na telinha, tantos pensamentos q condizem com que pensamos e por vezes, não escrevemos!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Nossa! Que texto lindo!
    Adorei sei conceito de autoajuda....humm, me fez refletir.
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Não gostei do texto nem um pouco! Acho que respeito é fundamental e não foi isso que a Lilian deu a entender. Criticar livros de autoajuda é muito sério e ela o fez de um jeito grosseiro. Fiquei muito triste, de verdade.

    ResponderExcluir
  4. adorei o texto, bem legal e super interessante :)

    ResponderExcluir
  5. Nunca li nenhum livro de autoajuda e creio que todo livro nos ajude em algo ou algum momento de nossas vidas, sempre tive a mente aberta à novos genêros, mas esses de 'autoajuda' dando dicas de ficar ricos nunca me atraíram e dicordo da Laura. Achei que a Lilian deu a sua opinião sobre o assunto e compartilhou conosco com respeito e de uma forma nada grosseira.
    Beijos
    Ingrid

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses livros que determinam e generalizam o que devo fazer me incomoda bastante... Fico grata por ter se afeiçoado ao texto! ^^

      Excluir
  6. Nunca li nenhum livro de autoajuda e este texto foi bem bacana e diferente para abordar este assunto.
    bjs

    ResponderExcluir
  7. Delícia de post. parei pra pensar, gosto disso.
    Esses rótulos, infelizmente, classificam 'por baixo' uma leitura que pode ser boa e proveitosa. Sinto mesmo que nem vou à estante de 'autoajuda' por achar que só vou encontrar bla-blá-blá. Erro.
    Não sei citar alguma leitura rotulada como autoajuda. Claro que li, mas não lembro agora. Porque sei que muitos me ajudaram a construir um caminho diferente, a enxergar possibilidades, então, como posso colocar naquela bendita estante rotulada?
    Lembro de um que me fazia pensar positivamente e acabou dando certo, uma coisa incrível que eu queria e a mentalização ajudou... pelo menos achei que sim, rsrs...
    O que me ajuda mais, hj, são leituras que me façam ver diferentes situações, problemas de outros lugares, culturas diversas. Outra tradução para o sofrimento humano, sem pieguismos, novos enfoques. É para esses livros que tenho mais tempo agora. Me ajudam? E como ajudam, me salvam!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito!

      Conseguiu dizer exatamente o que tentei expor!

      Excluir
  8. Cara... Eu tenho problemas sérios em ler auto-ajuda. Eles soam meio se sentido para mim (acredita?). Mas o meu me deu o Monge e o executivo antes de morrer, e dai é um dos poucos que consegui ler. Também gosto daqueles que tratam do universo feminino.

    bjus

    terradecarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb adoro livros como: mulheres que correm com os lobos! ^^

      Excluir
  9. Primeiramente, devo elogiar o texto, muito bem escrito, parabéns! =D
    Realmente, os intitulados auto-ajuda (que você cita como droga literária lícita), não nos ajudam, apenas aumentam nosso ego.

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é verdade, os livros de 'autoajuda' servem para aflorar nossa visão cartesiana do mundo, além de nos manter presos a um sistema de não pensantes! ^^

      Valeu por ler!

      Excluir
  10. Nunca li um livro de autoajuda, não me interesso nenhum pouco por eles, portanto prefiro não julga-los. Mas gostei bastante da sua definição. Acho que um livro, sendo de qualquer gênero, pode ser uma autoajuda. Os livros me tornam uma pessoa melhor a cada dia, e me ajudam a ver o mundo de outra forma, a entender melhor tudo que acontece ao meu redor.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, tenho que ler e visualizar as coisas criticamente já que decidi trabalhar com leitura e escrita... conheço esse livros, mas os que me ajudam mesmo são outros... ^^ valeu por ler!

      Excluir
  11. Cada um tem um conceito sobre o que seria livros de auto-ajuda. Concordo com um comentário ai de cima que "é um livro que nos ajude em algo ou um momento em nossa vidas". Não sou muito fã de livros de não ficção. Mas já li alguns livros de ficção que me ajudou muito. Me fez pensar em algumas atitudes que eu estava tomando.

    ResponderExcluir
  12. Concordo com você. Todo livro é de certa forma um livro de autoajuda. Se o livro é ruim, você no mínimo vai aprender o que Não se deve fazer! hahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrsrs

      Meu pai já dizia para eu tirar o que tem de melhor nas piores situações1 :D

      Valeu por ler!

      Excluir
  13. esses post esta otimo, adorei demais

    ResponderExcluir
  14. Quer saber? Pra mim QUALQUER livro é de autoajuda! Porque ele me ajuda a sair dessa realidade chata e entediante, me leva para um vida muito mais colorida e feliz e por isso me ajuda bastante a fugir de tudo. Então, sendo de autoajuda mesmo ou só um livro com histórias, é livro de autoajuda pra mim e eu adoro ler. Ah gente, livro é livro! Não tem como desgostar muito...

    ResponderExcluir
  15. Adorei o texto! Maravilhoso e muito bem escrito.
    Odeio livros de auto-ajuda! Odeio quem vem querer conta como ficar rico, como ser economico, emagrecer, ser plenamente feliz. Acho isso tudo uma mentirada para falar verdade, é um bando de gente querendo ganhar dinheiro contanto experiencias simples, que não nos ajuda em nada. Só faz com que agente se sinta frustado por não alcançar o mesmo objetivo. AMEI DEMAIS O TEXTO! PARABENS!
    Beijos,
    Fernanda,
    www.lendoeesmaltando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, se existisse uma receita mágica, como supõe estes livros, a vida não teria graça! ^^

      Excluir
  16. Belo texto e muito bem escrito :)
    Beijinhos
    Renata
    http://escutaessa.blogspot.com.br
    http://www.facebook.com/BlogEscutaEssa
    @blogescutaessa

    ResponderExcluir
  17. Acredita que nunca tinha parado pra pensar por essa vertente?!?!?!
    Achei o texto super coerente, assim como todos os outros que você escreve. Nunca li esses livros que são considerados de autoajuda. Não fazem meu estilo.
    E não tenho mais nada pra falar, pois você já disse tudo. Rsrsrs

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  18. Também não li nenhum livro de auto ajuda ainda, mas adorei o texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  19. Adorei o texto, e com certeza livros de auto ajuda depende muito de quem ler, pois todo livro tem alguma coisa a te ensinar/ajudar...já refleti muito com livros de romance/suspense e muitos outros...Não precisa ser necessariamente do gênero auto ajuda para te "ajudar".

    BjOs!!!

    ResponderExcluir
  20. Gostei do texto, confesso que nunca pare pra pensar assim.

    ResponderExcluir
  21. Adorei seu texto!!

    Nunca tinha pensado em auto ajuda dessa forma. Fez todoo o sentido e mudou minha forma de enxergar o genero rs.

    ResponderExcluir
  22. Também concordo com vc sobre isso, que todos os livros ajudam em parte vc, porem esse livros que se intitulam auto ajuda são horríveis, gente como eu odeio KKKKKKKK

    ResponderExcluir

Blog no ar desde 08/11/2011

Blog no ar desde 08/11/2011