Literatura e Sexo

by - sábado, março 16, 2013



por ~ voodooprowler

Os adultos à minha volta, sempre tentaram me criar com o engano de que a mulher nasceu para servir ao homem. Meu companheiro me chama de pequena mula, e uma amiga me chama de tratorzinho, então creio, que por ter uma personalidade norteada pela teimosia, não poderia acreditar na história dos adultos. Que fique bem claro que a minha personalidade é teimosa e não a minha identidade, o que se configura não ter mais jeito.  Visto que personalidade não muda, mas identidade sim!

Há alguns anos, a literatura é muito clara quanto aos desejos da mulher em relação ao sexo: só depois do casamento para servir ao seu marido! Mas como sabemos que a identidade é resiliente e mutável, hoje, a literatura nos bombardeia com todo tipo de informações. Então falaremos aqui de dois maravilhosos prazeres: literatura e s-e-x-o! Com o direito ao prazer e sem distinção de gêneros ou sexo, o homem pós-moderno é bombardeado com todos os tipos de informações para falar dos prazeres da carne. Então vamos de 50 tons de cinza ao Kama sutra – que se configura em um compêndio do amor com diversas posições sexuais, além de um livro sagrado com as normas que uma mulher precisa saber para um casamento. 
De forma camuflada, machista, feminista, direta, vulgar ou técnica o homem sempre escreveu sobre sexo. E cada dia essa necessidade sexual literária cresce em demasia. Apesar de ainda existir uma educação cartesiana quanto ao desejo e ao sexo como algo pecaminoso e sujo, a literatura nos dá um retrato da nossa sociedade: não aguentamos mais repressão! Um homem, não importa os gêneros, é um ser sexual, nasceu para e com isso, e palavras ditas através de gerações que se perpetuam em nossas células, não podem mudar essa realidade.
Apesar de não ter me deleitado com a leitura de 50 tons de cinza, me parei nos devaneios dos pensamentos reflexivos: ora, qual a razão de um livro que tem 20 páginas de puro sexo, fazer tanto sucesso? E essas músicas que trazem à sexualidade aflorada nas letras e nas danças de forma tão agressivas são os hits do momento? Até torcemos nosso nariz para a cultura de massa, mas a verdade bate à nossa porta como cobrador de nossas contas em atraso, por mais vulgar que a cultura de massa possa parecer, é ela que nos traz a uma realidade sólida.


A necessidade de homens e mulheres livres é pungente e gritante! E não interessa a educação cartesiana e o moralismo que mantêm nossas cabeças enclausuradas numa prisão assexuada. O nosso corpo grita e a literatura é um registro real de nossas necessidades: liberdade! Sexo, sexo, sexo é bom e existe! E o melhor de tudo é que para o sexo não existe raça, crença, gênero ou classe, pois todos gozam do mesmo prazer!
Se essa literatura, que é tão criticada pela academia e por aqueles que se reprimem, é a chave para o que necessitamos, então que venha, que venha em nossas prateleiras de livros, nas novelas das 8h, nos CD’s ou nas roupas de piriguete. E que por tudo, por tudo de mais sagrado e profano, possamos nos libertar, possamos nos conhecer, possamos sentir, gritar, ouvir e ser apenas seres humanos! Seres humanos com desejos, pele, corpo, mente e alma, mas acima de tudo, pessoas que podem escolher e que não são regradas como robôs sobre sua própria existência!
Até o próximo texto que alguém vai me dizer um monte de desaforos e eu vou rir muuuiiitooo aqui em casa, ou então vou me identificar ou refletir com alguns comentários verdadeiros e conscientes.
Xerinho no coração!

Por Lilian Farias
@LiliasFarias


Leia também

45 comentários

  1. Hahaha caramba, gostei de você.
    Não gostei de 50 Tons de Cinza, muito menos de Não Posso me Apaixonar, mas por algum motivo que ainda não descobri me deliciei com Toda Sua.
    Sexo é uma coisa natural, um instinto e necessidade humana é difícil entender a rasão de tantas criticas.

    ResponderExcluir
  2. Olha gostei de sua sinceridade, pois temos liberdades de expressão e muita gente nunca ouviu isso, falar de qualquer outro assunto é super natural, mas muita gente se restringe.Temos mesmo que dizer o que achamos pois não queremos ser robôs como você citou, espero que lancem mais livros sobre esse assunto e deixem de desvalorizar a arte só porque alguns a ignore!!!Valeu!!! :-) "Somos humanos".

    ResponderExcluir
  3. Adorei o texto,a sinceridade e o vídeo!!!!

    Eu acho que o tempo muda,mas as mentes nem tanto,por mais liberação que a gente viva hoje em dia,até as mulheres são machistas e acho isso triste,mas uma hora chegamos a mentalidade de um país evoluído,onde todos possam agir como suas consciências determinem.

    beijos

    Bianca
    http://www.apaixonadasporlivros.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Concordo que a liberdade para falar de sexo na literatura é necessária e cada um tem o direito de escrever, ler, vestir, ver o que quiser. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  5. Lilian....Adoro tuas letras!!!!!rs(não me canso nunca de proferir isso)
    Acho que já tinha passado da hora do povo se libertar dos tabus..Tá, isso vem acontecendo camuflado mesmo, faz tempo..Mas com Cinquenta(q nem gostei tanto assim) parece que as pessoas acharam o caminho de expressarem suas vontades, seus desejos e pq não, de deixar claro isso aos demais!!
    Sexo sempre existiu, sempre existirá..e é bom pra caramba!!!
    Então, que venham as leituras hot, os cds, os filmes...que venha a liberdade de se conhecer e de não ter vergonha de assumir isso!

    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Achei bem legal seu post, e bem polemico tb.
    As pessoas em que ter liberdade para escrever sobre o que quiser, só acho que as livrarias tinham que ter um controle para não vender livros de sexo para adolescentes.

    ResponderExcluir
  7. eu adorei o texto apesar da liberdade p falar de sexo ainda existe muito preconceito com os livros eroticos, minha mãe mesmo essa semana tava lendo que nem tinha muito conteúdo erótico mas só por quinha a palavra sexo na capa ficou me recriminando aqui!!
    E concordo com a Vanessa Sueroz tem que ter um controle para que crianças não compre livros tipo 50 tons pq já vi nas livrarias varias crianças de 12 ,13 anos comprado 50 tons!!

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que o jeito como as pessoas expressam essa liberdade do sexo continua sendo machista, mantendo as mulheres em um patamar inferior, de submissão. A forma de expressão deveria ser livre, fora de rótulos e tendo direitos iguais, sem um diminuir o outro.
    Já li alguns livros sobre o tema, e acho bacana as pessoas estarem se libertando desse preconceito em relação a falar sobre sexo, mas como disse anteriormente, ainda falta muito para a igualdade prevalecer.

    ResponderExcluir
  9. Vamos falar a verdade...Cinquenta tons de cinza ensinou um monte de coisas novas aos casais (minha mãe leu o meu livro e ela aprendeu um monte de coisas. Foi até constrangedor ter que explicar algumas "palavras" que ela não sabia o que era no livro), e foi o responsável por tirar esse gênero literário do limbo. Até então, livros eróticos eram vendidos num cantinho escondido da banca de jornal.

    Acho muito legal os livros eróticos, sou fã, e acho que da mesma forma que muitas pessoas leem livros de autoajuda, esses livros de certa forma, acabam tendo o mesmo efeito. Depois de ler um livro desses, você cria coragem pra correr atrás do gatinho que tá a fim (assim como a personagem do livro); passa a usar suas armas de sedução e até faz surpresas pro seu parceiro, logo, acho super válida a leitura.

    É verdade que a maioria dos livros coloca a mulher como uma pobre coitada, que não tem noção do próprio poder e precisa ser "despertada" pelo homem lindo e maravilhoso, mas a Bella Andre criou personagens muito próximos dos reais. As mulheres dela são tem personalidades fortes e no quarto livro, onde a protagonista é uma mulher - Sofhie - ela mostra quem tem o poder. É ela que toma a iniciativa, que diz não, que diz se vai rolar, etc...

    Acho que a literatura vem evoluindo gradativamente, e podemo esperar belas surpresas de agora em diante...

    ResponderExcluir
  10. Eu creio que ao longo da história a sexualidade da mulher foi reprimida. Antes o prazer do sexo era associado apenas ao homem. Não importava se a mulher chegasse ao ápice do prazer ou não. Até uns 40 anos atrás, se a mulher se negasse a fazer sexo com o marido ele tinha o DIREITO de fazê-lo mesmo assim, à força. São essas coisas que me levam a crer que apesar de não ser meu gênero favorito, a literatura erótica veio para mostrar a importância dos dois lados, veio para libertar mesmo! Você encontra livros com fortes tendências de submissão, e outros que valorizam as preliminares por exemplo. Mas o interessante é poder mostrar a visão do homem e da mulher, como iguais, como dotados de necessidades.

    (desconstruindoaspalavras.blogspot.com.br)

    ResponderExcluir
  11. Eu adoro 50 tons de cinza, e todos os outros livros eróticos. E fico realmente feliz que eles tenham ganhado um espaço melhor nas livrarias. Muitas vezes eu tinha que andar com meus livros escondidos para que ninguém pudesse rir, ou ficar me repreendendo. Pelo menos agora eu posso ler meus livros em paz. Viva a liberdade literária, a liberdade da escrita ;)

    ResponderExcluir
  12. Viu só o que 50 tons fez? Explodiu esse gênero e foi a unica coisa boa que esse livro trouxe, porque a história é muito sem pé nem cabeça. Acho que na literatura vale tudo e todo gênero é bem vindo, nada dessas coisas idiotas com preconceito ou clichês quanto ao gênero, por favor! Adorei o post, é bem legal.

    ResponderExcluir
  13. Super legal o seu texto e polêmico,mas foi bom este burburinho todo em volta dos 50 tons porque abriu espaço para este tipo de literatura que muita gente aprecia.
    bjs

    ResponderExcluir
  14. achei um texto bem sincero, e publicado em um bom momento ja que o erotico nunca esteve tão em auge. Não li 50 tons, toda sua, ou qualquer outra modinha não por que não curta o estilo, mas porque não tive a portunidade, li os "quentes" da Nc e nem achei tão uau, mas gostaria de ver como outras editoras exploram a tematica

    ResponderExcluir
  15. Lilian, minha querida, que texto delicioso de ler! Parece que grita essa nossa necessidade de liberdade, não é? Em todos os aspectos que possa suscitar!
    Liberdade para ser você inteiro, de verdade. Sem as máscaras que a sociedade pede para usarmos. Liberdade para pensar e dizer, sem censuras. Liberdade para compreender nossas escolhas e desejos e aceitá-los, realizá-los, sem culpas, principalmente. E liberdade num sentido mais interior, que é o de nos libertar daquilo que nos prende. Que bom exercitar!

    ResponderExcluir
  16. Exatamente por isso. Pela sua primeira frase que não gosto de livros como 50 tons. Não gosto do modo como o 'maravilhoso' sr. Grey trata a Ana e muito menos das palavras que ele usa. A mulher não esta aqui para servir ninguém e muito menos ser ofendida na hora do sexo, que é um momento em que os doisvtem que ter prazer.

    ResponderExcluir
  17. Que verdade hein, muitos homens acham que a mulher deve servir o homem, e eles não se tocam que estamos em pleno século 21, estamos nos modernizando, e isso é a verdade.

    ResponderExcluir
  18. Você escreve muito bem, parabéns!
    Gostei também do seu ponto de vista,
    mas, diferentemente de você eu admito que curti Cinquenta Tons kkk

    PS: Você é minha conterrânea de Pernambuco?

    :)

    http://devoradoreshistorias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá, queridos!

    Fico deveras animada com as verbalizações de vcs... falar sobre sexo e da repressão que ainda existe, entre homens e mulheres ainda é uma temática que meche muito conosco... afinal foram séculos de repressão, não dá para esquecer tão rápido assim...

    ResponderExcluir
  20. eu adorei o texto :) sabe eu nao me importo de ler coisas que envolvam sexo, afinal é normal do ser humano
    nem sei pq tanta gente se incomoda com o mesmo sabe, pq a gente ve coisa pior por ai

    ResponderExcluir
  21. Concordo. Embora não tenha vontade alguma de ler livros desse gênero, não julgo quem gosta. Os livros eróticos não deveriam ser tão julgados se o sexo está em tantas coisas hoje em dia...

    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. É isso aí, Liliam! Concordo com tudo o que você falou.
    Ainda não li nenhum desses romances eróticos, mas acho super válido a publicação dos mesmos. Só não concordo quando começam a criticar, falando que eles são uma merda, ou que não acrescentam em nada na vida de quem lê. Acho que se não acrescenta pra você, pode acrescentar para outros.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  23. Gosto de todos os tipos de literatura.
    Li o 50 tons de cinza, e gostei bastante.
    Quando li o Toda Sua, nao gostei muito, porque achei que a autora copiou muiiiito o 50 tons de cinza. Variass coisas que eu lia me lembrava ele. Mas mesmo assim, tenho vontade de ler o Profundamente sua. Uma prima minha leu e falou q eh otimo. Bem melhor q o primeiro.

    Agora estou lendo o 50 tons mais escuro. Ate o momento, estou gostando.
    E q venha mais livros assim! rs

    Beijos!
    makeetcs.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  24. Huahuahua
    Ótimo texto!
    Infelizmente ainda vivemos em uma sociedade em que falar essas coisas eh "proibido", especialmente se vc for mulher.
    Mas podemos perceber que as coisas estão mudando, as pessoas estão mudando, e é ótimo ver isso na literatura tb :)

    Bjoo

    ResponderExcluir
  25. Opa, que tapa na cara da sociedade, sexo nem de longe devia ser um tabu, é tão simples e todos fazem!!!

    E sim confesso que adoro ler uma cena picante em qualquer livro (sendo hot ou não) e confesso ainda que li a trilogia Cinquenta Tons e gostei .. rsrs enfim!!!

    Parabéns pelo ótimo texto!

    ResponderExcluir
  26. Olá gostei do texto, e realmente sexo não deveria ser tabu, mas é, eu vejo isso no meu próprio trabalho, as vezes por conta de religião pessoas não comentam sobre o assunto, se estamos falando sobre alguma cena mais "picante" seja em livro ou tv tem pessoas q se incomodam, agem como se fosse errado falar no assunto, mas esquecem que se estamos aqui é pq o sexo existe, espero que com essa onda de livros eróticos, o assunto deixe pelo menos um pouco de ser algo proibido.

    Bjos!!!

    @jannagranado
    http://livrospuradiversao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso tb já aconteceu comigo... mudei de emprego! Sexo é mais importante! aff... Acho que as pessoas deveriam limitar suas ideias religiosas no ambiente de trabalho!

      Excluir
  27. Adorei seus argumentos sinceros, e concordo fielmente com você. A sociedade tem uma absurda mania de criar tabus. Muita gente trata "falar de sexo" como algo incomodante, mas não há nada de incomodante nisso. Eu mesma confesso que adoro os trechos picantes presentes em livros, como os da Editora Harlequin. Chega de tabu, de achar que sexo não se fala, nem se ler. Isso é tão clichê e com cara de passado. Tem sim que investir em livros de literatura erótica, são bons e não há nada de errado neles.

    ResponderExcluir
  28. gostei da sua sinceridade e concordo com você, também acho que é necessária a liberdade para falar de sexo na literatura. Não li nenhum desses livros e nada contra quem leu, pra mim é tudo literatura, e acho que tinha um tabu antes de 50 tons agora já tem bastante livro desse gênero.

    ResponderExcluir
  29. Sexo faz parte do instinto do ser humano e claro sempre vai chamar a atenção, só acho que o sexo não pode ser banalizado com tem acontecido ultimamente, não só na literatura, mas na vida real.

    ResponderExcluir
  30. A parte erótica de 50 tons de cinza realmente não me atraiu, mas sim o romance entre Ana e Grey, que muitos dizem não haver. Também, a trilogia tem vendido e feito sucesso por ter virado modinha, não há como negar, mas eu prefiro mil vezes ler um livro desse estilo, do ouvir essas porcarias que chamam de músicas...

    ResponderExcluir
  31. Acho que esse é um assunto que vem sido muito pensado desde antes de 50 tons e depois do lançamento deste tudo ficou mais aflorado. Afinal, foi um ombro de apoio para as pessoas expressarem suas opiniões e usar como desculpa: "temos que ter mente aberta, qual o problema de ler este livro?" Em certo ponto foi bom, pois um assunto muito fechado se tornou comum e vários livros têm este tema. O problema é que há muita apelação na literatura por conta disto. Todos os livros agora são hot e cadê os livros de antigamente que nos fazem viajar e entrar na leitura? É claro que é tudo uma questão comercial, mas há muita apelação em cima disto.

    ResponderExcluir
  32. Bem, cada pessoa tem sua forma de pensar e o direito de expressá-las.

    ResponderExcluir
  33. Tudo é questão de gosto. Gostei do seu ponto de vista sobre o assunto.
    E viva a liberdade de expressão.

    ResponderExcluir
  34. Sinceramente? Não gosto muito do estilo. Li e estou lendo a trilogia 50 tons, mas acho que prefiro outros gêneros, mas nada contra quem curte :)

    ResponderExcluir
  35. Bom, não gosto muito de livros eróticos, não faz o meu estilo. Ainda não li 50 tons e não tenho interesse em ler.

    ResponderExcluir
  36. Bom, já li alguns livros do gênero. E digo uma coisa: Literatura erótico não é o problema. Afinal, existem milhares de livros bons, com conteúdo e que possui erotismo. Acho que o ruim é quando o livro passa uma imagem negativa para a sociedade. Principalmente se adolescentes fazem a leitura.

    ResponderExcluir
  37. Lilian,
    concordo demais com o que você escreveu.
    Por que esse tipo de literatura é tão mal vista no meio acadêmico?
    Acho que tudo isso é muito falso moralismo.
    Porque as pessoas adoram as novelas das 8, as músicas e as roupas de piriguete, mas quando se trata de literatura ficam cheios de não me toquem.
    Acho que sexo deve sim ser tratado e lido e por que não!?
    E digo mais... por que só veem a mulher como submissa?
    Acho que há ainda muita coisa a ser discutida.

    http://lisos-somos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  38. Concordo plenamente!!!! a liberdade para falar de sexo na literatura é necessária e cada um tem o direito de escrever, ler e gostar do que quiser! Eu li a trilogia de Cinquenta tons de cinza e li muiitas resenhas criticando os livros. chega a ser estranho a pessoa não querer ler ou falar de uma coisa que é tão normal hoje em dia.

    ResponderExcluir
  39. Nossaaaaaa, adorei o post!!!! e o video tbm...mas ele é considerado o primeiro filme porno? nao tem nada d porno... kkkkkkkk
    Eu nao li 50 tons ainda, mas quero ler logo... tanta gente fala q eu to curiosa...
    Os unicos livros hots q li foram os da irmandade e eu adorei!!
    Acho q assim como no cinema, séries, novelas, literatura tem q ter varios estilos diferente para agradar todo tipo de publico...

    ResponderExcluir
  40. Fico chateada com tanta hipocrisia,há certas coisas aceitas e elogiadas(como o corpo nu de mulheres em revistas),mas quando o prazer é explorado de outra forma,é ofensivo.Não é preciso gostar,só respeitar.

    ResponderExcluir
  41. Nos dias atuais, falar sobre sexo na literatura e não mencionar 50 tons de cinza é impossível. Eu não gostei da estória do livro, assim como, a escrita do livro. Porém, devo confessar que ele trouxe consigo novas aberturas a outros livros do gênero, até então desconhecidos (ou poderíamos dizer, camuflados?).
    Adorei seu ponto de vista, parabéns!

    ResponderExcluir
  42. Ja li 50 Tons de cinza mais não curti muito, na verdade os livros do gênero não me chamam muito a atenção!

    ResponderExcluir
  43. Ainda não consegui ler inteirinho 50 tons (não pelo tema, mas a leitura em si não me agradou). Tipo Lolita, a única referência a sexo é: em 3 minutos nos tornamos amantes. Cá entre nós, sensual demais né! A imaginação rolar solta e viajar pode ser tão boa qto descrever tudo passo a passo. A leitura deve atingir todos os públicos, e esse nicho (do erótico) está apenas mais divulgado, pq aqueles livros de banca (minha mãe vivia lendo!) tb são cheios de 'descrições eductivas' e não são nada novos!

    ResponderExcluir

Blog no ar desde 08/11/2011

Blog no ar desde 08/11/2011