Resenha: Dias perfeitos

by - quinta-feira, julho 03, 2014

Autor: Raphael Montes
Páginas: 280
Ano: 2014
Editora: Companhia das Letras

Téo é um solitário estudante de medicina que divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas de anatomia. Durante uma festa, ele conhece Clarice, uma jovem de espírito livre que sonha tornar-se roteirista de cinema. Ela está escrevendo um road movie sobre três amigas que viajam em busca de novas experiências. Obcecado por Clarice, Téo quer dissecar a rebeldia daquela menina. Começa, então, uma aproximação doentia que o leva a tomar uma atitude extrema. Passando por cenários oníricos, que incluem um chalé em Teresópolis e uma praia deserta em Ilha Grande, o casal estabelece uma rotina insólita, repleta de tortura psicológica e sordidez. O efeito é perturbador. Téo fala com calma, planeja os atos com frieza e justifica suas atitudes com uma lógica impecável. A capacidade do autor de explorar uma psique doentia é impressionante – e o mergulho psicológico não impede que o livro siga um ritmo eletrizante, repleto de surpresas, digno dos melhores thrillers da atualidade. Dias perfeitos é uma história de amor, sequestro e obsessão. Capaz de manter os personagens em tensão permanente e pródigo em diálogos afiados, Raphael Montes reafirma sua vocação para o suspense e se consolida como um grande talento da nova literatura nacional.


Os melhores livros de suspense que já li são nacionais. Confesso que estava sentindo falta de um livro como esse do Raphael Montes dentro do gênero, uma obra que desafiasse a mente do leitor, mexendo com todos os seus sentidos. Então eis que leio Dias Perfeitos, e recebo em menos de 300 páginas um presente em formato de livro, pois tudo o que eu mais admiro e procuro numa obra literária estava ali.

Téo me fascinou e me fez questionar a minha própria sanidade, pois mesmo o reconhecendo como uma pessoa obsessiva, doente, ele me atraia pela sua mente e pensamentos, era um convite aberto a entendê-lo. Quando esperava algumas atitudes, ele surpreendia com outras, e isso me fascinava. Téo é um mistério perigoso que todo leitor de um bom suspense psicológico se deleita em querer interpretar.

Clarisse é o sinônimo da intensidade, uma mulher que chama a atenção, posicionamento forte, pensamentos livres, um jeito debochado. Sua rebeldia e instabilidade a tornam uma personagem marcante. Seria um amor doentio por parte de Téo ou uma paixão obsessiva, confesso que enquanto lia eu tentava perpassar por essas diferentes nuanças, e aliado a insanidade tudo se tornava ainda mais instigante. Até mesmo nas coisas irracionais me peguei diante de uma trilha de diferentes caminhos e interpretações para os reais sentimentos, e suas essências. Não seria o amor em sua forma bruta, insano? Racional não pode ser, pois senão não seria algo que partisse diretamente de nosso coração. E tanto Clarisse quanto Téo eram loucos, porém cada um a sua maneira. Amor e loucura são faces de uma mesma moeda? Ou ainda há uma linha que os delimitam? Foram questionamentos que me fizeram pensar enquanto lia. E só cheguei a conclusão de que o amor é o sentimento mais louco que temos.

“Você acha mesmo que me ama?”
“Amo”
“Isso é paixão, é doença, obsessão. Qualquer coisa, menos amor”

A narrativa de Montes tem algo diferente, há algo em seu jeito de escrever que te envolve e faz não querer mais parar de ler. É uma fluidez de pensamentos e ações que tornam a leitura rápida, somos absorvidos para dentro daquele mundo e  dias. O enredo é tão perfeitamente trabalhado, há tantas ligações, coisas que por mais simples que fossem ficaram em minha mente, e mesmo entre as pausas que fazia durante a leitura me pegava pensando sobre elas. Dias perfeitos é um livro que não sai de sua mente.

São páginas imprevisíveis, tensas e intensas no sentido mais amplo de cada palavra. É uma união incrível de tudo isso dentro de uma história que parecia simples, porém estava sendo orquestrada genialmente, fazendo o leitor mergulhar tão profundamente a ponto de ficar assustado até mesmo com os próprios pensamentos.

Algumas cenas são fortes, ficamos chocados, assustados, nos sentimos desafiados pelo autor, que se mostra um escritor sem medo de ser ousado, tanto na escrita quanto nas ações de seus personagens. É uma espécie de morbidez atrativa, não da para deixar de ler, não tem como tirar os olhos das páginas. Montes brinca com nossos sentimentos durante a leitura, levando-nos ao êxtase diante de tanta intensidade.

O desfecho? Sinceramente, eu amei. Pensei em diferentes possibilidades, não esperava por aquilo, porém com grandes autores nós nunca sabemos o que eles nos reservarão na última linha, e devo dizer que até mesmo ri diante da coragem do autor. Se você é fã de suspense e ainda não leu Dias perfeitos, devo dizer que pode de estar perdendo de ler o seu novo livro favorito do gênero. Se você quer um livro inesperado, que te fará viver uma montanha russa de sentimentos e pensamentos, recomendo também! Montes mostrou a que veio, e seu nome já se firmou na literatura nacional, e segue rumo a internacional. Contudo, acredito que ainda assim o mundo é pequeno diante da mente brilhante desse autor com estilo próprio e uma imaginação criminalística sem limites.

Leia também

9 comentários

  1. Eu me surpreendi muito com esse livro! Achei simplesmente sensacional o enredo, super criativo e com um final que eu NUNCA poderia imaginar. O autor é um daqueles que merecem que a gente fique de olho, pois promete se transformar em um dos grandes autores da literatura nacional nos próximos anos...

    ResponderExcluir
  2. aaah, estou muito curiosa para conhecer a história dele!
    adoro este tipo de trama, e a dele parece ser ótima. até agora, só vi resenhas positivas dele e isso é ótimo!!!
    ainda não li ele, mas pretendo ler logo! *-*

    ResponderExcluir
  3. só venho lendo bons comentários por conta da surpreendente forma de escrever do autor
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oiee ^^
    Não gosto muito de livros desse gênero, mas a sua resenha não foi a primeira que descreveu o livro como "intenso" e elogiou o final, então vou arriscar lê-lo ^^
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Esse é um livro que eu tinha muita vontade de ler e sua resenha só me deixou com mais vontade ainda.
    É maravilhoso ver tanto livros ótimos nacionais.

    ResponderExcluir
  6. Nossa, eu sou apaixonada por esse gênero. Nunca ouvi falar desse autor, mas a repercussão é tão boa, está com certeza na minha lista!

    ResponderExcluir
  7. Nossa o livro parece muito interessante, fiquei doida pra ler!

    ResponderExcluir
  8. Oi, Dai!
    Deixei pra ler sua resenha depois da leitura que fiz do livro, não queria ter nenhuma dica ou impressão antes de ler e resenhar... Agora li e concordo com você: é uma leitura que não larga o leitor, hahaha. Tive um misto de indignação e náusea, ao mesmo tempo uma louca compreensão da obsessão de Téo... amei a reviravolta.
    Como vc tb adorei o final. Ele disse que gera polêmica, mas pra mim funciona bem quando é coerente com a trama... especialmente se for imprevisível ou me chocar, hahaha... mas ele escreveu dois finais, sabia? E no cinema talvez seja o outro escolhido.
    Beijooooo!

    a minha resenha do livro está aqui: Ler para Divertir

    ResponderExcluir
  9. Este não é o tipo de leitura que me atrai muito, mas devo confessar que a maestria com que o autor é descrito me fascinou muito, acho que até me arriscaria a ler este livro, gosto de leituras que fluem e é bom saber que este livro é assim, passear pelos pensamentos dos personagens é o máximo...

    @jan_araujo7

    ResponderExcluir

Blog no ar desde 08/11/2011

Blog no ar desde 08/11/2011