Resenha: O trem dos órfãos

by - terça-feira, julho 15, 2014

Autora: Christina Baker Kline
Páginas: 302
Ano: 2014
Editora: Planeta

Quando Vivian Daly, uma senhora de 91 anos, decide se livrar de seus pertences antigos ela acaba recebendo a ajuda de Molly, uma adolescente órfã e rebelde, que está disposta a prestar serviços para não acabar no reformatório. Revivendo cada momento marcante de sua história, Vivian conta para Molly sobre sua família irlandesa pobre que foi de barco para Nova York em busca de uma nova vida e acabou morta em um incêndio. Sendo a única sobrevivente, ela foi levada por um trem com outras centenas de crianças que teriam seu destino decidido pela sorte. Seriam elas adotadas por famílias gentis e amáveis, ou teriam de encarar uma infância e adolescência de servidão e trabalho pesado?

Sabe aquele livro que a primeira vista não te chama muito à atenção? Porém que de alguma forma ele meio que te chama para ler... Não, não é conversa de louco, sei que vocês leitores me entendem. Tenho que confessar que quando li a sinopse eu esperava um tipo de história, mas ao começar a ler o que encontrei foi outra, que se sobressaiu provando ser além e acabando com qualquer resquício que minha mente ousasse ter de dúvidas sobre sua qualidade.

Para quem não sabe, realmente existiu nos Estados Unidos o trem dos órfãos, que levava crianças abandonadas cruzando cidades para terem uma nova família, serem escolhidos. Mas não era algo assim tão simples, as crianças que chegavam até ele muitas vezes já carregavam nas costas as cicatrizes da dor de viver nas ruas, de perder a família, como a senhora Vivian, e outros ainda bebês que mal sabiam que seus destinos estavam prestes a ser traçado.

Crianças eram tidas praticamente como mercadoria, pois eram expostas como tal a cada parada, eram levadas por diferentes pessoas e para diferentes objetivos. Os bebês e os meninos mais fortes eram escolhidos primeiros, e depois as meninas. Amor e carinho eram coisas raras, muitos eram pegos para serem literalmente escravos, sofriam, e ler isso faz nosso coração se apertar mais, pois pensamos: como seres humanos, e ainda por cima crianças, eram cuidados dessa forma? Não há leitor que não se emocione.

"Estamos indo em direção ao desconhecido, e não temos escolha a não ser nos sentar calmamente no assento duro e nos deixar levar até lá."

Molly também é órfã, rebelde, mas essa personagem tinha algo que me cativava, ela e Vivian na verdade tinham muito em comum mesmo vivendo em épocas diferentes, e ver a interação delas e os aprendizados que Molly recebe a cada recordação foi algo mágico. Mostrando que nós podemos passar por muitas coisas na vida, altos e baixos, porém temos uma essência única e vai de nós escolhermos o que tiraremos disso: se seguir com a vida e buscar ser uma pessoa melhor a cada dia, ou viver com o peito cheio de amargura.

Ambas as personagens foram compostas de forma primorosa, mesmo a narrativa mesclando os períodos de tempo 2011 e 1929, você sente que há um elo que as une, pois sofreram preconceitos, e tantas outras dores da vida. É interessante ver como são parecidas mesmo quando tantos anos as separaram. Foi genial essa composição.

A escrita de Kline é levíssima, mesmo com um tema mais histórico e até mesmo pesado, ela soube escrever de uma forma que nos cativa. Senti-me tão envolvida com O trem dos órfãos que não via as páginas passarem. Como leitora gosto de livros que abordam grandes períodos históricos em seus enredos, como guerras e afins, e nem todos fluem, pois algumas leituras são mais truncadas. Porém nesta obra não senti isso, devo dizer que o livro traz um bom conteúdo histórico com detalhes e informações sem ser pesado, mesmo com um tema que nos leva as lágrimas, a autora tem um o jeito delicado de contar sua história, que consegue envolver e também emocionar.

Ao final do livro há uma entrevista com Kline, vemos o quanto de pesquisa foi necessário para compor essa obra, o que explica a grande qualidade do mesma e também mais algumas informações sobre o trem dos órfãos. Simplesmente foi uma leitora encantadora, que me fez crescer um pouco mais como leitora, e me fez tirar lições que levarei para vida. Mostrando o quanto a literatura é uma das artes mais amplas e lindas, em O trem dos órfãos temos a mescla de realidade, história, e ficção, intrínsecos em uma obra capaz de nos emocionar e nos fazer pensar sobre nós próprios.

Leia também

4 comentários

  1. muito doido tudo esse enredo, acredito que além de se basear em realidade mostra como você disse o poder da literatura pra aprendizagem
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. li algumas resenhas deste livro e fiquei muito curiosa! não sabia que existia mesmo um trem assim :O
    parece ser uma linda trama, e é impossivel não ficar curiosa para ler né! ;~~

    ResponderExcluir
  3. ler me faz bem viajo nas historias me emociono, ja li muito hoje tenho lido pouco devudo a trabalho , trabalho rsrs sinto falta mas a resenha deste livro me chamou atencao vou ler com certeza

    ResponderExcluir
  4. Caramba! Ganhei esse livro em um evento, e como vc disse, eu não estava dando muita coisa por ele.
    Agora a coisa mudou.
    Acho que vou me emocionar bastante com a leitura.
    Adorei a resenha.

    Bjksssssss

    Lele

    ResponderExcluir

Blog no ar desde 08/11/2011

Blog no ar desde 08/11/2011