Resenha: Cartas de amor aos mortos

by - terça-feira, setembro 23, 2014

Autora: Ava Dellaira
Páginas: 337
Ano: 2014
Editora: Seguinte

Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.

Nesses meus quase cinco anos como blogueira, sempre houveram momentos em que eu realmente não sabia como começar uma resenha, simplesmente porque a leitura fora tão desafiante e mexeste comigo de uma forma que tentar passar em palavras tudo que senti e pensava a respeito da obra tornava-se um bom desafio. Pois bem, Cartas de amor aos mortos é o meu desafio de hoje.

Devo dizer que o que me chamou para esse livro, além da sinopse e capa lindíssima, foi o fato de ligar música e literatura. Amo a junção dessas duas artes que me inspiram e tocam minha alma por igual, assim a obra tornou-se ainda mais especial para mim.

Laurel é uma personagem linda, que está se descobrindo e sente a dor do luto pela irmã, May. Durante várias passagens percebemos o quanto lhe é difícil superar essa perda. May era como um sol que iluminava o ambiente por onde passasse, incrível como Laurel a descreve, durante a leitura além de conhecer a protagonista de pertinho era como se eu pudesse sentir a essência da personagem de sua irmã também.

Dentro de um enredo simples, temos uma história delicadamente trabalhada composta sobretudo de emoções. O que eu senti com as cartas de Laurel era um diálogo de alma, uma mistura de tantos sentimentos que de alguma forma me tocavam também e em vários momentos me deixavam sem ar pela sinceridade das palavras.

Era impossível não sentir as dores da Laurel, sua saudade, suas dúvidas em uma fase de constante mudança, além de superar o luto ela tinha de aprender a lidar com seus temores e a se encontrar, mas como conseguir essa façanha quando tudo parece estar fora do lugar? Quando nosso mundo é virado de ponta cabeça?

As cartas aos ídolos mortos são tocantes e as escolhas foram ótimas. Em alguns momentos embalei a leitura com Back to black de Amy Winehouse, ou com Smell like a teen spirit do Nirvana. Era uma sintonia perfeita entre o que ali estava escrito e o que eu sentia enquanto lia. Fato é que esse livro me tocou, me inspirou, me emocionou com sua singularidade e páginas que transpiram músicas e sentimentos.

Cartas de amor aos mortos é sobretudo um livro que celebra a vida. A morte pode ser um encerramento, mas nunca um fim completo por si só, de alguma forma o que aqui fizermos, os sentimentos que deixamos, esses prosseguem mesmo sem nossa presença, pois nada pode apagar nossa essência e os aromas que ela deixa por onde passa. Livro incrível, que me fez derramar tantas lágrimas ao virar a última página que eu apenas sabia que sentia, eram inúmeras sensações que atingiram meu coração em cheio, é um livro que levarei para vida.

"Eu gostaria que você pudesse me dizer onde está agora. Sei que está mora, mas acho que tem alguma coisa da gente que não desaparece simplesmente. Está escuro lá fora. E você está lá. Em algum lugar. Eu te deixaria entrar aqui."

Leia também

3 comentários

  1. aah Dai, estou super curiosa para ler este livro logo! acho a sinopse dele linda, e das poucas resenhas que li dele todas foram positivíssimas!
    nunca perdi uma pessoa que fosse tão próxima à mim, mas imagino o sofrimento que deva ser... acho que livros assim nos fazem acreditar na vida, e tentar superar nossas perdas...
    parece ser uma leitura incrível, e eu acho que preciso ler ele logo! ;~~

    ResponderExcluir
  2. um dos livros mais surpreendentes do ano! a proposta inovadora, esse ar de sensibilidade é tão cativante
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Eu sou apaixonada por música e literatura, assim como você, então esse livro deve ser AMAZING! Confesso que não sabia do que se tratava, só via muitas resenhas por aí, mas agora eu preciso ler! Eu ouço música sempre que posso, foi e será uma constante na minha vida, sabe?

    Sobre a morte, eu só lembrei de Getúlio Vargas, por incrível que pareça... "Saio da vida pra entrar na História". Não há nada que perpetue mais uma pessoa que a morte, já pensou nisso? Porque as pessoas tendem a lembrar dela por anos, e normalmente, lembram das coisas boas que ela fez.

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir

Blog no ar desde 08/11/2011

Blog no ar desde 08/11/2011