Resenha: Meu nome é memória

by - segunda-feira, dezembro 08, 2014

Autor: Ann Brashares
Páginas: 279
Ano: 2014
Editora: Suma de Letras
Compre aqui: Livraria Saraiva
 
Vivi mais de mil anos. Morri incontáveis vezes. Esqueço o número exato. Minha memória é uma coisa extraordinária, mas não é perfeita. Sou humano. (...) Nunca tive filhos, nunca envelheci. Não sei a razão. Vi beleza em coisas incontáveis. Eu me apaixonei e ela é quem resiste. Eu a matei uma vez, morri por ela muitas vezes e ainda não tenho nada para exibir. Sempre a procuro. Sempre me lembro dela. Carrego a esperança de que, um dia, ela venha a se lembrar de mim. Encontrar o amor verdadeiro nunca é fácil. Mas para Daniel, o protagonista de Meu nome é memória, isso parece ser ainda mais difícil. Ele tem um dom que por vezes assemelha-se a uma maldição: lembra-se de todas as suas vidas passadas. E em todas elas, foi apaixonado por Sophia. “Vivi mais de mil anos. Morri incontáveis vezes. Esqueço o número exato. Minha memória é uma coisa extraordinária”, escreve o protagonista. Inglaterra, Antioquia, Congo Belga, Constantinopla, Georgia. Todos esses lugares já presenciaram o amor do casal, porém Sophia nunca se recorda das memórias passadas. Vida após vida, através de dinastias e continentes, Daniel tenta fazê-la relembrar esse amor e conquistá-la para sempre, mesmo que ela mude de nome e aparência. Mas, em todas às vezes que Daniel e Sophia tiveram uma aproximação, foram separados de maneira dolorosa e fatal. No entanto, quando se reencontram em 2007, Sophia – que agora se chama Lucy – começa a lembrar do passado. Aos poucos, flashes das vidas anteriores vêm à memória, lembranças sensoriais se reavivam e ela percebe que Daniel faz parte de sua vida desde sempre. E agora, se o casal quiser passar suas próximas vidas juntos, terá que compreender e superar o inimigo desse amor.

Resenha por Ana Carolina

Os livros nos incitam sentimentos e emoções, esta é a razão pelo qual somos apaixonados por eles. Alguns nos fazem rir, outros chorar, alguns nos fazem xingar e interagir com os personagens. Sou aquele tipo de leitora que conversa com livro, que fala “sozinha” que se entrega a história.

Esse livro me fez sentir tantas coisas que será difícil definir. Primeiramente, curiosidade. O livro possui uma premissa que me agradou. Daniel é uma alma que a cada corpo que habita, vida e morte, ele se lembra de todas as suas vidas. Desde a primeira até a mais recente, e com isso ele lembra de Sophia, uma garota que conheceu e reconheceu em várias de sua vida e que é o grande amor da sua vida.

A medida que o livro introduz, Lucy – que seria Sophia –e eles tem um breve momento, até que Daniel toma uma medida drástica. O livro se desenrola com a vida de Daniel e os encontros e desencontros com Sophia, e o paralelo da vida de Lucy contando o quanto ela se recorda de algumas coisas, graças a sonhos, vidente e hipnose.

E desta forma, outro sentimento surge, o desinteresse. Raramente gosto de livros que possuem poucos diálogos e muitos parágrafos, então as páginas se arrastaram lentamente, até eu voltar a me interessar.

E então eu me interesso, começo a devorar e ler como uma louca, e vem uma palavra: frustração. Eu esperava um final que não ocorreu, melhor dizendo, não sei qual é o final. Foi totalmente imprevisível, totalmente vago. Embora minha mente tenha criado um final, esse final me frustrou. Odeio finais indefinidos.

O livro é bom. Bem escrito, com bons personagens e grandes lições, e se não fosse o final, me ganharia, me teria. A obra aborda questões sobre o poder do passado, o quanto este define as nossas ações e atitudes, o que somos.

A autora só poderia ter se alongado menos em algumas partes e sido mais detalhista naquelas que mais esperávamos. O romance poderia ter sido mais explorado no presente e menos no passado e com certeza, ela poderia ter feito um final melhor.

Não sei se recomendo o livro, o final me deixou tão frustrada que é difícil dizer a qualquer pessoa para lê-lo. Mas para aqueles que gostam de romances com uma visão histórica, dê uma chance.

Leia também

4 comentários

  1. uma pena que a história não tenha te agradado tanto, para mim aparentemente seria um livro gostoso de ler!
    procurarei conhecer diferentes opiniões!
    http://felicidadeemlivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faça isso, Thaila!
      O livro não é ruim, só não fluiu para mim!
      Beijos e obrigada!

      Excluir
  2. Já conhecia este livro, mas não me interesso pela história. tenho uma certa birra com esta autora. já li alguns livros dela, e todos eles me desagradaram de formas diferentes...
    não sei, acho que o livro não é para mim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entendo, também não foi para mim.
      Beijos e até mais.

      Excluir

Blog no ar desde 08/11/2011

Blog no ar desde 08/11/2011